Caros Alunos/Parceiros e Docentes,

Enviamos este comunicado para lhes reportar que estamos acompanhando diariamente a situação referente à pandemia de COVID-19 para podermos garantir as atividades e ações da ESCAS minimizando potenciais prejuízos.

Algumas atividades pré-agendadas estão canceladas e outras remarcadas, pedimos que verifiquem em seus contatos de e-mail nossas cartas e comunicados. Também podem acessar nossa profissional de relacionamento – Juliana - para as dúvidas no seguinte WhatsApp: 11 99981-2601

Como este é um cenário de rápida mudança, caso existam recomendações novas, seguiremos o que for adequado e prudente.

Pedimos a compreensão de todos, pois neste cenário precisaremos ficar de sobreaviso.

Agradecemos desde já. Cordiais abraços,

Coordenação da ESCAS

Nossa História

Como surgiu esta iniciativa?

Desde a sua criação em 1992, o IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas, organização não governamental dedicada à conservação da biodiversidade brasileira, tem como parte de sua missão multiplicar o conhecimento adquirido com suas pesquisas científicas e projetos ligados à sustentabilidade. O início das ações de educação do Instituto foi em 1996, quando criou em Nazaré Paulista (SP), junto à sua sede, o CBBC – Centro Brasileiro de Biologia da Conservação, pioneiro em cursos do gênero no Brasil. Com o decorrer dos anos, outros cursos foram realizados, ampliando as temáticas e o número de alunos interessados em aprender mais sobre meio ambiente, conservação e sustentabilidade.

O objetivo de capacitar e formar pessoas e profissionais para lidar com os novos desafios socioambientais avançou e, em 2006, o IPÊ criou a ESCAS – Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade, seu braço de pós-graduação. O primeiro curso da ESCAS foi o Mestrado Profissional em Conservação da Biodiversidade e Desenvolvimento Sustentável, com apoio dos empresários Guilherme Leal e Luiz Seabra (Natura Cosméticos). O curso, reconhecido pela CAPES/MEC e realizado em parceria com o Instituto Arapyaú, formou sua primeira turma em 2008, no formato regular no campus de Nazaré Paulista.

Em 2009, o Mestrado Profissional em Conservação da Biodiversidade e Desenvolvimento Sustentável passou também a ser realizado no município de Uruçuca, sul da Bahia, em formato modular, com apoio da Fibria.

Ao longo dos anos, o programa tem se consolidando como uma proposta diferenciada para a formação em conservação socioambiental e sustentabilidade, que une gente e natureza de forma harmônica, saindo da teoria para práticas que surtam efeitos concretos, indo além do que é oferecido no mundo acadêmico tradicional.

Para a sua realização, o Mestrado Profissional em Conservação da Biodiversidade e Desenvolvimento Sustentável conta com importantes parceiros. Além de Instituto Arapyaú e Fibria, o curso conta com o suporte de US Fish and Wildlife Service e o Programa do WWF/EFN – Education for Nature.